Polêmico projeto de novos hotéis adia votação de plano de preservação do DF

A votação sobre o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília (PPCUB) foi adiada para 4/10, em uma reunião extraordinária. A análise do documento que vai ordenar a ocupação na área tombada da capital, estava marcada para esta terça-feira (18/9).

O relator do projeto, Antônio de Almeida Reis, apresentou o voto dele, no qual levou em consideração o oficio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que não recomenda a construção de hotéis na 901 Norte, e pediu uma revisão do plano para uma nova votação na ocupação da área.

O ofício conclui que “a SGAN 901 corresponde a uma área destinada à edificação e cujo gabarito baixo deve ser mantido. Deve ser tratada como área de transição e de articulação urbana entre os diferentes setores envolvidos já consolidados e que o Iphan não concorda com os índices apontados na minuta do projeto de lei”.

O problema
O Governo do Distrito Federal (GDF) publicou, em 14/10/1987, o Decreto nº 10.829 sobre o tombamento do conjunto urbanístico, arquitetônico e paisagístico da capital do país, com base no que foi proposto no Plano Piloto pelo urbanista Lucio Costa. Em 7/12 daquele mesmo ano, a Unesco reconheceu Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade. O PPCUB visa criar regras para ordenar esse conjunto urbanístico.